Katie Cassidy Brasil » Arquivos » #TBT Katie Cassidy fala sobre como começou sua carreira, Harper’s Island, Chris Carter e Fancewalker.

Bem vindos!

Bem vindos ao Katie Cassidy Brasil, a primeira e maior fonte sobre a atriz Katie Cassidy no Brasil. Katie Cassidy é uma atriz de cinema e televisão mais conhecida por seus papeis em Gossip Girl, Supernatural e Melrose Place. Atualmente, ela está na serie da CW Arrow como Laurel Lance/Canario Negro. Aqui no site você encontrará notícias, imagens de alta qualidade, vídeos, promoções e muito mais.

Katie cedeu uma entrevista a um site americano, em 2009, onde fala sobre como começou sua carreira de atriz, como ser filha de pais famosos, “Harper’s Island”; Chris Carter (The X- Files); o drama “Fencewalker” e seu envolvimento com o filme “Dallas”.

Confira a entrevista:

Entrevistador:  Ainda criança, você fez piano, guitarra, canto, dança e atuação. Quando e como você decidiu que ser atriz era a profissão na qual você faria sua carreira?

Katie: Quando eu era jovem, tocar piano e guitarra era tudo que eu queria fazer por um curto período, como qualquer criança. Depois de algum tempo, era como, “Oh, eu tenho que ir para aulas de canto. Eu tenho que ir para as aulas de piano.” Eu tinha me comprometido a ir, mas não queria. Só ia para estar com os meus amigos. Mas, a única coisa que realmente me prendia e que eu estava realmente animada para ir e comprometida com, era o teatro. Eu amei estar no palco. Eu estava na escola primária quando eu comecei, então eu não poderia dizer que foi sobre a construção de personagens. Foi muito divertido estar em um jogo e começar a brincadeira fora com alguns dos meus amigos. E então, quando fiquei mais velha, eu comecei a realmente levar a sério, estudar e assistir aulas, e me desenvolvi como artista. É apenas algo que estava dentro de mim, que eu senti que precisava e queria fazer, e isso só me fez colocar pra fora. É muito divertido! É apenas exercendo uma parte diferente de seu cérebro quando você faz isso. É uma saída para mim.

E: Quando você vem de uma família famosa, é difícil desenvolver seu próprio senso de identidade, especialmente quando você quer criar um nome para si mesmo? E isso de alguma maneira faz o sucesso que você tem mais gratificante?

KC: Sim. É definitivamente difícil, no início, especialmente sendo a filha de David Cassidy esobrinha de Shaun Cassidy. Eu sabia que isso ia acontecer, porque são meus genes. Eu não posso negar de onde eu venho. Mas, eu também sabia que isso iria desaparecer. Quando você é realmente talentoso e você tem algo a oferecer, as pessoas começam a olhar para você, e não mais pra quem você é filho. Eu me sinto como um monte de atores, artistas ou músicos que vêm de pais ou mães famosas, é algo que você tem que aprender a lidar. As pessoas acabam por começar a reconhecer você e o seu bom trabalho. Os meus primeiros empregos, as pessoas falavam tipo, “Oh, ela só foi contratada porque ela é filha de fulano de tal”. Mas, no final do dia, não importa quem são seus pais. Claro, ele vão ajudá-lo a entrar em uma sala, mas no final do dia, você tem que ser capaz de entregar e ser talentoso porque não vão me contratar porque meu pai é David Cassidy, que era famoso na década de 70. Eu tenho que ir para essas salas e dar o meu melhor e trabalhar realmente duro. Eu só quero fazer minha família orgulhosa, e eu quero ser conhecida por mim. Eu sinto que eu tenho que caminhar milhas extras pra fazer isso, mas estou disposta a fazer e fazer bem. Não é algo que eu reclame, é apenas mais um desafio que vou superar.

E: Como você se envolveu com Haper’s Island?

KC: Eu tinha acabado de sair de supernatural e foi a primeira ou a segunda coisa para qual fiz teste depois disso. Entrei e fiz o teste, assim como todo mundo. Eu passei o processo de testes para a rede e o teste de estúdio, e depois eu acabei conseguindo. Uma vez que eles descobriram que eu estava disponível, eles estavam interessados, mas eu ainda tinha que ir lá. Eles não eram como, “Oh, você tem o trabalho.” Eu tive que ir atrás, e acabei conseguindo.

E: O que você pode dizer sobre o que é Haper’s Island e sobre a sua personagem na série?

KC: São 13 episódios, e é como uma espécie de filme de 13 horas. É um evento. O meu noivo e eu crescemos em Seattle. Estudamos juntos na escola, e gostaríamos de ir para a Ilha de Harper e passar nossos verões lá. Basicamente em um ano, esta série de assassinatos acontecem e todas estas pessoas morrem. John Wakefield era o assassino e, aparentemente, ele foi morto no final de tudo isso. O meu noivo e eu voltamos a esta ilha para se casar, para renovar a ilha e trazê-la de volta à vida porque teve esta nuvem escura sobre isso por tanto tempo, com o que aconteceu. Então, vamos lá com família e alguns amigos, para se casar nesta ilha que nós crescemos, e as coisas começam a acontecer. As pessoas começam a sumir e as coisas começam a se desenrolar. É basicamente como Lost conhecendo Ten Little Indians e One Tree Hill. Há definitivamente uma vibe mais jovem, cultura pop. E, é divertido. Todas as semanas, alguém vai morrer. Pode ser uma pessoa, ou pode haver mais de uma pessoa. Toda a experiência, enquanto estávamos filmando, foi incrível. Nós literalmente não tínhamos ideia do que estava acontecendo ou quando iria acontecer, até que conseguimos os scripts. Obtendo os scripts e lendo-os, nós sempre virávamos para o final para ver quem iria morrer e quem não. Era sempre como uma manhã de Natal, cada vez que tinha um roteiro, todos nós correríamos para a sala verde e abríamos nossos scripts muito rápido, e competíamos entre si para ver quem conseguia lê-lo mais rápido. Foi divertido, mas também era muito estressante. Eu realmente não gosto de segredos, isso me corroía enquanto eu estava lá. Foi um pouco estressante, mas manteve-o realmente emocionante. Nós também não tínhamos ideia de quem era o assassino. Poderia ter sido qualquer um de nós. Então, quando estávamos filmando, ninguém realmente nos dizia nada. Estávamos sempre tentando descobrir isso nós mesmos. A quantidade que passou, fez-nos sentir muito positivo, na esperança de que o público que assiste ao show terá que se envolver tentando descobrir isso. Nós experimentamos a mesma coisa que acho que o público vai experimentar, foi interessante.

E: Será que a pessoa que acabou sendo o assassino sabia que era o assassino, ou estava tão no escuro quanto você?

KC: Pelo que sei, todo mundo ficou no escuro.

E: Como você desenvolve uma história de fundo para um personagem, quando você não tem ideia do que você está interpretando?

KC: Foi muito difícil nesse sentido. Mas eles não queriam que ninguém soubesse porque não queriam que ninguém se afastasse. Se você sabe, você fica tipo, “Oh, isso significa que se eu fosse um assassino psicopata louco, eu estaria jogando esta cena, desta forma”, o que daria às pessoas uma pista para o que estava acontecendo, e os produtores e Jon Turtletaub realmente não queriam isso. Então, todo mundo estava no escuro. Nenhum de nós sabia. Mas, foi uma experiência muito, muito divertida. Todo mundo com quem eu trabalhei foram realmente grandes e  favoráveis. Nós éramos como uma equipe lá em cima. Se alguém estava indo, você iria toma-lo para a equipe. Foi agridoce. Você não quer ir, mas você sabia que seria muito legal.

E: Mesmo que você soubesse o que você estava se metendo,que seria apenas 13 episódios, e que você poderia sair da série a qualquer momento, você ainda assim teria se apegado ao personagem e ao elenco?

KC: Foi isso que tornou extremamente difícil porque, especialmente em filmagens em Vancouver, nos tornamos uma família. Você vai trabalhar todos os dias, e estas são as pessoas que estão por perto, por um bom tempo. Você cresce com elas. Quando todos saíram e tudo foi dito e feito, todo mundo provavelmente tinha o mesmo tipo de sentimento agridoce. Foi muito triste de sair e deixar essas pessoas, porque era um grande elenco que foi muito gratificante estar ao redor. Foi triste. Era como terminar um show e quando você descobrir que o seu show não vai mais e é a ultima vez que você trabalha com aquele grupo. É triste, mas isso acontece e você tem que lidar com isso em qualquer tipo de trabalho que você faça. Você desenvolve relacionamentos com as pessoas e é triste que não vai ser a mesma coisa depois de fazer. Mas, todos nós mantemos contato e esperamos que continue.

E: Como foi trabalhar com Christopher Gorham, e este grupo de atores?

KC: Christopher Gorham interpreta o meu noivo, e ele é um ator maravilhoso. Tivemos essa relação no set, onde eu era quase como sua irmã mais nova. Nós apenas tivemos esta brincadeira. Ele é tão doce e um cara tão bom. Ele se tornou um bom amigo meu. Eu realmente admiro. Ele é casado e tem crianças, e ele é um ator tão grande. É muito bom trabalhar com atores que realmente te ajuda a trazer para fora o melhor em você. Ele trouxe tanto de mim, e eu me senti tão viva em cenas com ele, foi tão gratificante. Ele é muito grande, e eu tive muita sorte de trabalhar com ele, assim como todos os outros. Todos foi realmente grande. Matt Barr, que interpreta o melhor homem Sully, não era regular, mas é um papel importante no show e ele é um bom ator. Foi tão bom ver alguém que é tão fresco. Ele foi refrescante para assistir. E, Elaine Cassidy foi maravilhosa. Havia um monte de talento no show e um monte de gente para aprender. Quando estou trabalhando com um elenco, especialmente quando eu sou a mais jovem, eu olho para essas oportunidades como uma grande vantagem por eu ser tão jovem e eu estou trabalhando com esses experientes e maravilhosos atores mais velhos, e que eu posso ser uma esponja ao redor e absorver o máximo que eu puder. Eu realmente aprendi muito com ele e estou muito grata.

E: Você acha que há algo em você que o atrai para esses projetos mais escuros, como Harper’s Island, Supernatural e o filme Taken? 

KC: Há definitivamente algo que tem de ser dito para me gostando da ação, Lara Croft coisas do tipo. Eu realmente quero explorar esse lado de mim. Ruby em Supernatural foi esse demônio que lutou e é durona por toda a temporada. Isso foi muito divertido para mim. Eu estava apenas a explorar ainda mais esse lado de mim. Sem revelar nada, há certas coisas que Trish (Em Harper’s Island) tem para assumir, como o show continua, que se entrelaçam com toda a exploração de uma parte de mim. Eu realmente amo uma mulher que está lutando e é durona. Eu acho que é muito divertido. Eu adoraria fazer mais do mesmo, mas eu também quero fazer comédia. Essas são duas coisas completamente diferentes, mas tudo bem. Eu quero estar envolvida em tudo.

E: O que você pode dizer sobre Fencewalker e trabalhar com Chris Carter (The X-Files)?

KC: Fencewalker foi realmente ótimo. Na verdade, foi realmente um desafio para mim para assumir esse papel. Eu não posso dizer muito sobre isso, mas eu estava passando por uma fase na minha vida enquanto eu estava gravando esse filme. Eu passei por um momento difícil, mas é algo que precisava acontecer, a fim de obter todas as cores que Chris queria que saísse dessa menina. Que precisava acontecer para mim. Foi definitivamente uma experiência emocional, mas nada que eu jamais iria tomar de volta. Chris Carter é um grande diretor e um grande escritor. O roteiro foi incrível! E, eu estou tão feliz por ter sido parte de algo assim. Vai ser realmente grande. Eu acho que vai ser no final do ano.

E: É difícil continuar trabalhando em projetos que são tão secretos?

KC: Eu odeio segredos! Mas, é divertido. É segredo e você não pode falar sobre isso. Eu adoraria sentar aqui e te dizer tudo sobre as coisas que eu já passei. Isso torna um pouco difícil quando se trata de coisas como esta, porque eu realmente não posso me aprofundar em nada sobre isso, na medida em que a história acontece, mas torna emocionante.

E: Aconteceu alguma coisa com o status do filme Dallas que você estava envolvida? Isso ainda acontece?

KC: A partir de agora, se eles estão indo para refazê-lo ou não, quem sabe? Quando o fizerem, eu tenho certeza que ele vai ser realmente um grande projeto, mas quem sabe. Você nunca sabe o que vai acontecer.

Katie fez Trish Wellington em Harper’s Island, uma história de suspense com muitos assassinatos, cada episódio um ou mais personagens morrem. A série teve apenas 13 episódios e 1 temporada, e foi transmitida em 2009 pela CBS.

 

 

Gostou? Deixe um comentário!
      Maria
      01/07/2016 às 0:42

      Adorei a entrevista. Amo Harper’s Island!


Deixe seu comentário



Tem alguma crítica ou sugestão para o site? Entre em contato!

Últimas atualizações da galeria

hvfflondon_panel_282029.jpg
hvfflondon_panel_281929.jpg
hvfflondon_panel_281829.jpg
hvfflondon_fanpics_282029.jpg
hvfflondon_fanpics_28129.jpg
DBAYpXTXoAE04hd.jpg
DBAYn58XkAQ36qr.jpg
DBAYjnUXYAAEPvm.jpg
DBAYhwtXgAAArIM.jpg
DBAreGJXoAE1wzM.jpg
DBAKFZhXgAAX__j.jpg
DBAKFZeXYAEPF_V.jpg
DBAGU8cXsAIUkps.jpg
DA-bmONXgAI1S8P.jpg
DA12YSdW0AcGh3j.jpg
DA7uRszXkAA5q0V.jpg
DA2QTXbVwAE9BqB.jpg
DA2QBw4XgAcD_UV.jpg
DA2m2ZiXgAAq5le.jpg
DA2HPpWXkAIok8h.jpg
DA2bGFKXgAMIWNf.jpg
DA2bCwZXUAE9VNx.jpg
DA2asWKXsAMLN75.jpg
DA2aFqGXkAEEhD3.jpg
DA1vI1PXkAAGzhA.jpg
DA1vEV3XkAE31l2.jpg
DA1tErwWsAAzToN.jpg
DA1tDV1XsAE86_P.jpg
DA1tBRyXoAAAs1c.jpg
DA1cvmjXsAEoDc6.jpg
DA1ct7jXcAETP41.jpg
DA1aCLJW0AATIZc.jpg
DA1a1TRW0AE68J0.jpg
DA1a_QkW0AAuEHg.jpg
DA_-o1zXsAA14Jy.jpg
hvfflondon_panel_281629.jpg
hvfflondon_panel_281529.jpg
hvfflondon_panel_281329.jpg
hvfflondon_panel_281229.jpg
hvfflondon_panel_281029.jpg
hvfflondon_panel_28929.jpg
hvfflondon_panel_28829.jpg
hvfflondon_panel_28729.jpg
hvfflondon_panel_28629.jpg
hvfflondon_panel_28529.jpg
hvfflondon_panel_28329.jpg
hvfflondon_panel_28229.jpg
hvfflondon_panel_28129.jpg
KCBR3~3.jpg
KCBR10~3.jpg
KCBR9~3.jpg
KCBR8~3.jpg
KCBR7~3.jpg
KCBR6~3.jpg
KCBR5~3.jpg
KCBR4~3.jpg
KCBR2~5.jpg
KCBR1~5.jpg
KCBR1~4.jpg
KCBR2~4.jpg
KCBR1~3.jpg
arrow-s05e22-missing4.jpg
KCBR2~3.jpg
KCBR10~2.jpg
KCBR14~3.jpg
KCBR12~2.jpg
KCBR11~2.jpg
KCBR9~2.jpg
KCBR8~2.jpg
KCBR7~2.jpg
KCBR6~2.jpg
KCBR5~2.jpg
KCBR4~2.jpg
KCBR3~2.jpg
KCBR2~2.jpg
KCBR1~2.jpg
KCBR30.jpg
KCBR21.jpg
KCBR19.jpg
KCBR18.jpg
KCBR17~1.jpg
KCBR14~2.jpg
KCBR12~1.jpg
KCBR11~1.jpg
KCBR10~1.jpg
KCBR9~1.jpg
KCBR8~1.jpg
KCBR7~1.jpg
KCBR6~1.jpg
KCBR5~1.jpg
KCBR4~1.jpg
KCBR3~1.jpg
KCBR2~1.jpg
KCBR1~1.jpg
KCBR17~0.jpg
KCBR14~1.jpg
KCBR13~0.jpg
KCBR12~0.jpg
KCBR11~0.jpg
KCBR10~0.jpg
KCBR9~0.jpg
KCBR8~0.jpg
KCBR7~0.jpg
KCBR6~0.jpg
KCBR5~0.jpg
KCBR4~0.jpg
KCBR3~0.jpg
KCBR2~0.jpg
KCBR1~0.jpg
KCBR17.jpg
KCBR16.jpg
KCBR15.jpg
KCBR14~0.jpg
KCBR13.jpg
KCBR12.jpg
KCBR11.jpg
KCBR10.jpg
KCBR9.jpg
KCBR8.jpg
KCBR7.jpg
KCBR6.jpg
KCBR5.jpg
KCBR4.jpg
KCBR3.jpg
KCBR2.jpg
KCBR1.jpg
lot217_2088.jpg
lot217_2087.jpg
lot217_2086.jpg
lot217_2085.jpg
lot217_2076.jpg
lot217_2076_-_Copia.jpg
lot217_2075.jpg
lot217_2074.jpg
lot217_2073.jpg
lot217_2072.jpg
lot217_2071.jpg
lot217_2070.jpg
lot217_2069.jpg
lot217_2068.jpg
lot217_2064.jpg
lot217_2063.jpg
lot217_2058.jpg
lot217_2057.jpg
lot217_2056.jpg
lot217_2055.jpg
lot217_2054.jpg
lot217_2053.jpg
lot217_2052.jpg
lot217_2051.jpg
lot217_2050.jpg
lot217_2049.jpg
lot217_2048.jpg
lot217_2047.jpg
lot217_2046.jpg
lot217_2045.jpg
lot217_2044.jpg
lot217_2043.jpg
lot217_2042.jpg
lot217_2039.jpg
lot217_2038.jpg
lot217_2037.jpg
lot217_2022.jpg
lot217_2021.jpg
lot217_2018.jpg
lot217_2017.jpg
lot217_2016.jpg
lot217_2011.jpg
lot217_2010.jpg
lot217_2009.jpg
lot217_2008.jpg
lot217_2001.jpg
lot217_2000.jpg
lot217_1999.jpg
lot217_1998.jpg
lot217_1997.jpg
lot217_1996.jpg
lot217_1995.jpg
lot217_1991.jpg
lot217_1990.jpg
lot217_1989.jpg
lot217_1988.jpg
lot217_1987.jpg
lot217_1986.jpg
lot217_1981.jpg
lot217_1980.jpg
lot217_1977.jpg
lot217_1976.jpg
lot217_1975.jpg
lot217_1970.jpg
lot217_1969.jpg
lot217_1968.jpg
lot217_1967.jpg
lot217_1966.jpg
lot217_1965.jpg
lot217_1964.jpg
lot217_1956.jpg
lot217_1955.jpg
kc_28629~0.jpg
kc_28529~0.jpg
Tema por Gabriela Gomes • Katie Cassidy Brasil • Hosted by Flaunt